São Paulo, 11 de Dezembro de 2017
busca
ÍnicioAssocie-seBuscaAtendimento
 
 
 

 

 



CÂMARA APROVA TEXTO-BASE DO PROJETO DE LEI QUE REGULAMENTA A TERCEIRIZAÇÃO. (CLIQUE AQUI)

Câmara aprova texto-base do projeto de lei que regulamenta a terceirização.

 

Em sessão realizada na noite desta quarta-feira (08/04/2015), a Câmara dos Deputados aprovou, em Brasília (DF), o texto-base do projeto de lei 4330/04, que regulamenta a terceirização de serviços em empresas.

 

A aprovação foi por 324 votos a 137. Houve duas abstenções. Um acordo de procedimentos entre os partidos deixou a votação dos destaques para a próxima terça-feira (14/04/2015), quando pontos polêmicos deverão ser decididos em votações separadas.

 

Criticado por centrais sindicais, mas apoiado por grande parte do empresariado nacional, a proposta permite que empresas terceirizem não só atividades-meio (funções de apoio ao negócio central da empresa, como limpeza e vigilância), mas também as atividades-fim (por exemplo, a fabricação de carros, no caso de uma montadora).

 

Para os críticos, o projeto de lei é prejudicial aos trabalhadores, pois coloca em risco a conquista dos direitos trabalhistas e pode levar a uma substituição em larga escala da mão de obra contratada diretamente pela terceirizada.

 

Já os defensores da proposta acreditam que ela acaba com a insegurança jurídica, aumenta a produtividade e gera mais empregos.

 

Outros pontos da proposta determinam que somente empresas especializadas poderão prestar serviço terceirizado; familiares de empresas contratantes não poderão criar empresa para oferecer serviço terceirizado; as empresas contratadas devem pagar 4% do valor do contrato para um seguro que irá abastecer um fundo para pagamento de indenizações trabalhistas; e as companhias contratantes deverão recolher tudo o que for devido pela empresa terceirizada contratada em impostos e contribuições, como PIS/Cofins, CSLL e FGTS.

 

Os detalhes e a íntegra do texto-base do projeto de lei 4330/2004 podem ser acessados no site da Câmara dos Deputados, no endereço http://bit.ly/1NVa7fC.

 

PROJETO DE LEI Nº 4.330, DE 2004

(Do Sr. Sandro Mabel)

Dispõe sobre o contrato de prestação de serviço a terceiros e as relações de

trabalho dele decorrentes.

O Congresso Nacional decreta:

Art. 1º Esta Lei regula o contrato de prestação de serviço e as relações de trabalho dele decorrentes, quando o prestador for sociedade empresária que contrate empregados ou subcontrate outra empresa para a execução do serviço.

Parágrafo único. Aplica-se subsidiariamente ao contrato de que trata esta Lei o disposto no Código Civil, em especial os arts. 421 a 480 e 593 a 609.

Art. 2º Empresa prestadora de serviços a terceiros é a sociedade empresária destinada a prestar à contratante serviços determinados e específicos.

§ 1º A empresa prestadora de serviços contrata e remunera o trabalho realizado por seus empregados, ou subcontrata outra empresa para realização desses serviços.

§ 2º Não se configura vínculo empregatício entre a empresa contratante e os trabalhadores ou sócios das empresas prestadoras de serviços, qualquer que seja o seu ramo.

Art. 3º São requisitos para o funcionamento da empresa de prestação de serviços a terceiros:

I – prova de inscrição no Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ);

II – registro na Junta Comercial;

III – capital social compatível com o número de empregados, observando-se os seguintes parâmetros:

a) empresas com até dez empregados: capital mínimo de R$ 10.000,00 (dez mil reais);

b) empresas com mais de dez e até vinte empregados: capital mínimo de R$ 25.000,00 (vinte e cinco mil reais);

c) empresas com mais de vinte e até cinqüenta empregados: capital mínimo de R$ 45.000,00 (quarenta e cinco mil reais);

d) empresas com mais de cinqüenta e até cem empregados: capital mínimo de R$ 100.000,00 (cem mil reais); e

e) empresas com mais de cem empregados: capital mínimo de R$ 250.000,00 (duzentos e cinqüenta mil reais).

§ 1º Convenção ou acordo coletivo de trabalho podem exigir a imobilização do capital social em até cinqüenta por cento dos valores previstos no inciso III deste artigo.

§ 2º O valor do capital social de que trata o inciso III deste artigo será reajustado:

I – no mês de publicação desta lei, pela variação acumulada do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), da Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), verificada de novembro de 2004, inclusive, ao mês imediatamente anterior ao do início de vigência desta lei;

II – anualmente, a partir do ano subseqüente ao do reajuste mencionado no inciso anterior, no mês correspondente ao da publicação desta lei, pela variação acumulada do INPC nos doze meses imediatamente anteriores.

Art. 4º Contratante é a pessoa física ou jurídica que celebra contrato de prestação de serviços determinados e específicos com empresa

prestadora de serviços a terceiros.

§ 1º É vedada à contratante a utilização dos trabalhadores

em atividades distintas daquelas que foram objeto do contrato com a empresa

prestadora de serviços.

§ 2º O contrato de prestação de serviços pode versar sobre

o desenvolvimento de atividades inerentes, acessórias ou complementares à

atividade econômica da contratante.

Art. 5º São permitidas sucessivas contratações do

trabalhador por diferentes empresas prestadoras de serviços a terceiros, que

prestem serviços à mesma contratante de forma consecutiva.

Art. 6º Os serviços contratados podem ser executados no

estabelecimento da empresa contratante ou em outro local, de comum acordo

entre as partes.

Art. 7º É responsabilidade da contratante garantir as

condições de segurança e saúde dos trabalhadores, enquanto estes estiverem a

seu serviço e em suas dependências, ou em local por ela designado.

Art. 8º Quando o empregado for encarregado de serviço

para o qual seja necessário treinamento específico, a contratante deverá:

I – exigir da empresa prestadora de serviços a terceiros

certificado de capacitação do trabalhador para a execução do serviço; ou

II – fornecer o treinamento adequado, somente após o qual

poderá ser o trabalhador colocado em serviço.

Art. 9º A contratante pode estender ao trabalhador da

empresa de prestação de serviços a terceiros benefícios oferecidos aos seus

empregados, tais como atendimento médico, ambulatorial e de refeição destinado

aos seus empregados, existentes nas dependências da contratante ou local por

ela designado.

Art. 10. A empresa contratante é subsidiariamente

responsável pelas obrigações trabalhistas referentes ao período em que ocorrer a

prestação de serviços, ficando-lhe ressalvada ação regressiva contra a devedora.

4

Parágrafo único. Na ação regressiva de que trata o caput,

além do ressarcimento do valor pago ao trabalhador e das despesas processuais,

acrescidos de juros e correção monetária, é devida indenização em valor

equivalente à importância paga ao trabalhador.

Art. 11. A empresa prestadora de serviços a terceiros, que

subcontratar outra empresa para a execução do serviço, é solidariamente

responsável pelas obrigações trabalhistas assumidas pela empresa

subcontratada.

Art. 12. Nos contratos de prestação de serviços a terceiros

em que a contratante for a Administração Pública, a responsabilidade pelos

encargos trabalhistas é regulada pelo art. 71 da Lei nº 8.666, de 21 de junho de

1993.

Art. 13. O recolhimento das contribuições previdenciárias

relativas aos trabalhadores contratados para a prestação de serviços a terceiros

observa o disposto no art. 31 da Lei nº 8.212, de 24 de julho de 1991.

Art. 14. O contrato de prestação de serviços a terceiros deve

conter, além das cláusulas inerentes a qualquer contrato:

I – a especificação do serviço a ser prestado;

II – o prazo para realização do serviço, quando for o caso;

III – a obrigatoriedade de apresentação periódica, pela

empresa prestadora de serviços a terceiros, dos comprovantes de cumprimento

das obrigações trabalhistas pelas quais a contratante é subsidiariamente

responsável.

Art. 15. O recolhimento da contribuição sindical prevista nos

arts. 578 e seguintes da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) deve ser feito

ao sindicato representante da categoria profissional correspondente à atividade

exercida pelo trabalhador na empresa contratante.

§ 1º A contribuição sindical devida pelo trabalhador de

empresa de prestação de serviços a terceiros, contratado para o cumprimento do

contrato de que trata esta Lei, é proporcional ao período em que foi colocado à

disposição da empresa contratante e consiste na importância correspondente a

um doze avos da remuneração de um dia de trabalho por mês de serviço ou

fração superior a quatorze dias.

5

§ 2º Não é devida a contribuição pelo trabalhador se este já

houver pago, no mesmo ano, a título de contribuição sindical, importância

correspondente à remuneração de um dia de trabalho, nos termos do art. 582 da

CLT.

Art. 16. O disposto nesta Lei não se aplica:

I – à prestação de serviços de natureza doméstica, assim

entendida aquela fornecida à pessoa física ou à família no âmbito residencial

destas;

II – às empresas de vigilância e transporte de valores,

permanecendo as respectivas relações de trabalho reguladas por legislação

especial.

Art. 17. O descumprimento do disposto nesta Lei sujeita a

empresa infratora ao pagamento de multa administrativa de R$ 500,00

(quinhentos reais) por trabalhador prejudicado, salvo se já houver previsão legal

de multa específica para a infração verificada.

§ 1º A fiscalização, a autuação e o processo de imposição

de multas reger-se-ão pelo Título VII da CLT.

§ 2º As partes ficam anistiadas das penalidades não

compatíveis com esta Lei, impostas com base na legislação anterior.

Art. 18. Os contratos em vigência serão adequados aos

termos desta Lei no prazo de cento e vinte dias a partir da vigência.

Art. 19. Esta Lei entra em vigor trinta dias após a

publicação.

JUSTIFICAÇÃO

O mundo assistiu, nos últimos 20 anos, a uma verdadeira

revolução na organização da produção. Como conseqüência, observamos

também profundas reformulações na organização do trabalho. Novas formas de

contratação foram adotadas para atender à nova empresa.

6

Nesse contexto, a terceirização é uma das técnicas de

administração do trabalho que têm maior crescimento, tendo em vista a

necessidade que a empresa moderna tem de concentrar-se em seu negócio

principal e na melhoria da qualidade do produto ou da prestação de serviço.

No Brasil, a legislação foi verdadeiramente atropelada pela

realidade. Ao tentar, de maneira míope, proteger os trabalhadores simplesmente

ignorando a terceirização, conseguiu apenas deixar mais vulneráveis os

brasileiros que trabalham sob essa modalidade de contratação.

As relações de trabalho na prestação de serviços a

terceiros reclamam urgente intervenção legislativa, no sentido de definir as

responsabilidades do tomador e do prestador de serviços e, assim, garantir os

direitos dos trabalhadores.

A presente proposição tem origem no Projeto de Lei nº

4.302, de 1998, que após mais de cinco anos de tramitação, teve a retirada

solicitada pelo Poder Executivo. Ressalta-se que durante a tramitação do Projeto

de Lei do Executivo, que também alterava a lei do trabalho temporário, travaramse

longos e frutíferos debates sobre o tema, tanto nesta Casa quanto no Senado

Federal, que muito enriqueceram a proposta original.

O Projeto de Lei que ora apresentamos exclui os

dispositivos que tratavam do trabalho temporário, limitando-se à prestação de

serviços a terceiros, e incorpora as contribuições oferecidas por todos os que

participaram dos debates do Projeto de Lei nº 4.302, de 1998.

A nossa proposição regula o contrato de prestação de

serviço e as relações de trabalho dele decorrentes. O prestador de serviços que

se submete à norma é, portanto, a sociedade empresária, conforme a

nomenclatura do novo Código Civil, que contrata empregados ou subcontrata

outra empresa para a prestação de serviços.

Deve ser destacada a definição da empresa prestadora de

serviços como aquela que presta serviços determinados e específicos para a

empresa contratante. É a prestadora responsável pela contratação, remuneração

e direção do trabalho de seus empregados, podendo, ainda, subcontratar outras

empresas para realizar os serviços contratados.

Não há, obviamente, vínculo empregatício entre a tomadora

de serviços e os trabalhadores contratados pela prestadora ou seus sócios.

7

São estabelecidos requisitos para o funcionamento das

empresas prestadoras de serviço que visam a garantir o adimplemento das

obrigações trabalhistas e previdenciárias. O capital social mínimo estipulado em

função do número de empregados é um exemplo.

É prevista, ainda, a possibilidade de ser exigida a

imobilização de até 50% do capital social da prestadora de serviços mediante

acordo ou convenção coletiva de trabalho.

A nossa proposição define também a figura do contratante

que pode ser pessoa física ou jurídica. A inclusão de pessoa física justifica-se

pela necessidade de permitir a contratação de prestadoras de serviço por

profissionais liberais.

Vários dispositivos estipulam limitações contratuais que

protegem o trabalhador, como a vedação de sua utilização, pela empresa

contratante, em atividades diversas das estipuladas em contrato com a empresa

prestadora de serviços.

O objeto da contratação deve ser especificado. É, no

entanto, amplo, podendo versar sobre atividades inerentes, acessórias ou

complementares à atividade econômica da contratante.

Uma das situações que muito nos preocupou foi a

possibilidade de um trabalhador continuar prestando serviços a uma empresa

contratante, ainda que se sucedam várias empresas prestadoras de serviço.

Optamos por abordar o tema no art. 5º, permitindo a continuidade do trabalho

para a mesma empresa contratante.

A empresa contratante é diretamente responsável pelas

condições de segurança e saúde do ambiente de trabalho.

Além disso, caso seja necessário treinamento específico

para a realização do trabalho, a empresa contratante pode exigir da prestadora o

certificado de capacitação do trabalhador ou pode fornecer o treinamento

adequado.

Uma das maiores críticas que se faz à terceirização é a

precarização das relações de trabalho dela decorrentes, apresentando altos

índices de acidentes do trabalho. Atribuir a responsabilidade à contratante por

8

esse aspecto ligado às condições de trabalho representa uma garantia ao

trabalhador e, certamente, contribui para a melhoria do ambiente laboral.

É prevista a responsabilidade subsidiária da contratante

quanto às obrigações trabalhistas, sendo-lhe assegurado, obviamente, o direito

de ação regressiva contra a prestadora de serviços / devedora.

O projeto inova ao assegurar mediante a ação regressiva,

além do ressarcimento dos valores pagos pela contratante, o pagamento de uma

indenização equivalente ao valor pago ao trabalhador.

Há, ainda, previsão de responsabilidade solidária quanto às

obrigações trabalhistas pela empresa prestadora de serviços que subcontratar

outra empresa.

No caso de contratação com a Administração Pública, o

projeto remete à Lei nº 8.666, de 21 de junho de 1993, que “regulamenta o artigo

37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos

da Administração Pública e dá outras providências”.

Isso significa que a Administração Pública é solidariamente

responsável quanto aos encargos previdenciários, mas não quanto às dívidas

trabalhistas.

O contrato de prestação de serviços deve conter a

especificação do serviço a ser prestado e o prazo para a sua realização. Deve,

além disso, prever a apresentação periódica, pela empresa prestadora de

serviços, dos comprovantes de cumprimento das obrigações trabalhistas, o que

possibilitará a fiscalização por parte da empresa contratante.

Outro aspecto relevante da proposição é que o

recolhimento da contribuição sindical compulsória deve ser feito à entidade

representante da categoria profissional correspondente à atividade terceirizada.

Aumenta-se, dessa forma, o poder de negociação com as entidades patronais,

bem como é favorecida a fiscalização quanto à utilização correta da prestação de

serviços.

São excluídas da aplicação da lei as atividades de

empregado doméstico, e ainda as atividades de vigilância e transporte de valores,

que já possuem legislação específica.

9

É estabelecida multa administrativa de R$ 500,00

(quinhentos reais) por trabalhador prejudicado em caso de descumprimento da

norma.

É concedida anistia aos débitos, penalidades e multas

impostas com base em normas não compatíveis com a lei.

A proposição concede prazo de cento e vinte dias para a

adequação dos contratos vigentes aos termos da nova lei, sendo que a vigência

ocorrerá trinta dias após a publicação.

Tal prazo, acreditamos, é suficiente para que as partes

interessadas tenham ciência das alterações e adeqüem seus contratos.

Destacamos, ainda, que a proposição é fruto de discussão

com vários segmentos da sociedade. Tal discussão não está encerrada. Deve,

outrossim, ser ampliada, a fim de aprimorar o texto da norma. Colocamo-nos,

desde já, à disposição daqueles que queiram contribuir para a regulação dessa

matéria, tão relevante para as relações de trabalho no Brasil.

Por considerarmos de alta relevância a regulamentação da

terceirização, rogamos aos nobres Colegas pela aprovação deste Projeto de Lei.

Sala das Sessões, em de de 2004.

Deputado Sandro Mabel